sábado, 31 de dezembro de 2011

Brilho intenso em 2012

Final de ano é sempre a mesma coisa. Mensagens de otimismo, desejos de felicidades compartilhados, esperanças se renovando e a impressão de que fatiando o tempo em ano, meses, semanas e dias, resolvemos os problemas, nossos e dos outros. Aí vem o Ano Novo, essa fantástica invenção que possibilita nos reinventarmos para nos tornarmos universalmente os mesmos. Com ele as festas de largo (principalmente para quem é soteropoliltano), depois o carnaval. Já estamos em cinzas, estas serão reaproveitadas nas fogueiras do são joão, em alguns lugares festa para santo antônio, são josé. São pedro fecha o ciclo dos santos festeiros, casamenteiros, da fartura do milho entre outras crenças. Ora de contabilizar os queimados. Mas antes disso temos o 1º de maio que tem sido menos combativo e mais festivo nos últimos anos. Temos também o CORPUS CHRISTI. Ora de se vender, literalmente, o PEIXE, a mercadoria da vez, muito embora as churrascarias fiquem lotadas. Êpa, me desculpem os COELHOS, quase os esqueço. Os mesmos aparecem na PÁSCOA e pasmem...botam ovos, saborosos ovos de chocolate de todo tipo. Temos também nesse conjunto, os feriados, digamos, cívicos e religiosos. Mas como bons baianos, profanamos o templo. Lavamos e enxaguamos as escadarias e a alma. Lembramos dos mortos em novembro, logo no seu início para que em dezembro, depois de sermos alertados sobre a efemeridade da vida, voltemos a celebrá-la, pois final de ano é sempre a mesma coisa. Mensagens de otimismo, desejos de felicidades compartilhados, esperanças se renovando e a impressão de que fatiando o tempo em ano, meses, semanas e dias, resolvemos os problemas, nossos e dos outros. Que assim seja. Um excelente 2012 para todos. Que os nossos sonhos não sejam sonhados apenas para nós. Como nos ensina o poeta, nascemos para brilhar, brilhemos, então, intensamente.

sábado, 24 de dezembro de 2011

E o beneficiado é ele

Dia 22 de dezembro aqui, nesse blog, reproduzimos uma lista onde constava os nomes dos dez jogadores de futebol mais bem pagos do mundo.

Nesta, despontava em nono lugar o jogador brasileiro mais famoso da atualidade, Neymar, com um salário anual de R$ 36 milhões de reais, 3 milhões por mês.

Na última quinta-feira, eis que o mesmo engordou a sua conta bancária em módicos R$ 200 mil. Este foi o cachê recebido pelo jogador para participar de um evento beneficente.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O socialismo venceu!

Segundo a Wikipédia, o socialismo é um sistema em que há um forte planejamento central, o fim da diferenciação de classes e a propriedade coletiva dos meios de produção. Além disso, Marx dizia que, no socialismo, os homens poderiam trabalhar um dia como pescadores, no outro como pintores e depois como cozinheiros. O trabalho não seria apenas o modo de ganhar a vida, mas seria a própria vida.

O socialismo ficou identificado como uma ideologia que pretendia diminuir o sofrimento de nossa existência, que queria acabar com a pobreza extrema, que achava que os homens deviam ter chances iguais. Essa ideia deu origem a organizações de trabalhadores, partidos políticos e guerras. Dominou boa parte do mundo e depois sumiu de boa parte dele.

Nunca foi o que se esperava, por conta de seus adversários e de seus próprios homens. Em Cuba precisa de reformas e na China houve tantas reformas que há quem diga se transformou num capitalismo de estado.

Porém, neste domingo, felizmente e infelizmente, o socialismo venceu.

Não, não houve uma nova revolução que não saiu nos jornais. Nem um novo PC ganhou alguma eleição. O socialismo de que falo é um socialismo ludopédico, o socialismo do Barcelona. Um socialismo com uma pitada de anarquismo.

E nem me venham dizer que é exagero. Vejam bem, o time tem um planejamento central forte, feito por Pep Guardiola, que conhece bem seus recursos naturais e os utiliza de forma racional para o bem comum. Há também uma certa abolição de classes. Não há mais uma separação nítida entre zagueiros, meio campistas e atacantes. Principalmente entre estes dois últimos. Messi pode ser visto na ponta direita e zanzando como volante, Fábregas é um meio-campista mas aparece para finalizar, Dani Alves é um lateral que mais parece um ponta. Assim sindo, obviamente temos a propriedade coletiva dos meios de produção do gol, pois todos podem, e devem, atacar.

Quanto à pitada de anarquismo, vem da mobilidade decidida pelos próprios jogadores dentro de campo. Não é “cada um faz o que quer”, como se pensa erradamente sobre o anarquismo, mas um conjunto orgânico, que funciona como um ser vivo, com cada indivíduo se comportando como a célula de um grande organismo.

Muitos cronistas esportivos, imitando Francis Fukuyama, diziam que a história do futebol tinha acabado. Que a divisão de classes entre homens de ataque e de defesa era definitiva, com algumas exceções que confirmavam a regra. Mas não. De Barcelona, cidade que esteve ao lado da república na Guerra Civil Espanhola e flertou com o anarquismo, veio uma mudança radical.

Hoje o Barcelona é o “fantasma que assombra a Europa”, como começa o Manifesto Comunista falando do socialismo. E não assombra só a Europa, mas o mundo inteiro.

Se eu não fosse santista, teria me sentido um privilegiado por ter visto ao vivo esta vitória do Barcelona. Como sou, para mim foi um espetáculo cruel e sangrento, com o time grená mostrando o cálculo frio de um vilão de história em quadrinhos e um sadismo de nazista de filme americano.

Mas tudo bem. Passada a dor profunda, sei que vou poder assistir a jogos do time catalão com prazer. Certamente nunca verei o replay deste jogo contra o Santos, mas doravante assistirei a todos outros jogos desta utopia que vai mudar o futebol, porque os outros times terão que imitá-lo de alguma forma, do mesmo modo que o socialismo acabou sendo responsável pela socialdemocracia dos países nórdicos.

Boleiros do mundo, uni-vos. Uni-vos ao belo futebol do Barcelona. Vós não tendes nada a perder, pois o futebol no resto do mundo, inclusive nestas nossas bandas, anda feio e sem arte.

Por José Roberto Torero do site Carta Maior

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Os dez mais

Segue abaixo a lista dos dez maiores salários do mundo do futebol

1º Lugar é o jogador do Barcelona Lionel Messi, o jogador recebe R$ 74 milhões de reais por ano, R$ 6,166 milhões de reais por mês.

2º Lugar é o jogador Cristiano Ronaldo do Real Madrid, o jogador recebe R$ 66 milhões de reais por ano, R$ 5,500 milhões de reais por mês.

3º Lugar é o jogador Wayne Rooney do Manchester United, o jogador recebe R$ 50 milhões de reais por ano, R$ 4,166 milhões de reais por mês.

4º Lugar vem o jogador Samuel Etoò do Anzhi, o jogador recebe R$ 48 milhões de reais por ano, R$ 4 milhões por mês.

5º Lugar é o jogador do Real Madrid Kaká, o jogador recebe R$ 46 milhões de reais por ano, R$ 3,833 milhões de reais por mês.

6º Lugar é o jogador David Beckham do Los Angeles Galax, o jogador recebe R$ 45 milhões de reais por ano, R$ 3,750 milhões de reais por mês.

7º Lugar é o jogador Ronaldinho Gaucho do Flamengo, o jogador recebe R$ 44 milhões de reais por ano, R$ 3,666 milhões de reais por mês.

8º Lugar é o polêmico Carlos Tevez do Manchester City, o jogador recebe R$ 37 milhões de reais por ano, R$ 3,083 milhões de reais por mês.

9º Lugar é o jogador do Santos Neymar , o jogador vai receber R$ 36 milhões de reais por ano, 3 milhões por mês.

10º Lugar é o jogador Frank Lampard do Chelsea, ele recebe R$ 34 milhões de reais por ano, R$ 2,833 milhões de reais por mês.

Diante desta lista, que foi retirada do Blog do Rivelino, meus assustados botões perguntam: quantas empresas no mundo tem no seu faturamento anual o correspondente ao salário destes jogadores, individualmente? Quantos países produzem em termo de PIB, o correspondente aos dez salários somados? Juntos, estes jogadores poderiam salvar o Euro?

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Estádio ou escola?

O lutador de MMA, Chael Sonnen, atleta do Palmeiras, que gosta de alfinetar os seus adversários com frases de efeito antes de suas lutas, saiu com um bom golpe no seu Twitter contra o Anderson Silva, atleta do Corinthians.

Chael anunciou que "gostaria de ver (...) construírem escolas, não estádio para o Corinthians. Se eles vão construir estádio, vou derrubar Anderson lá”.

A luta está prevista para ocorrer em maio do próximo ano e não será no Itaquerão. Segundo o site "Máquina do Esporte", a contenda será mesmo no Morumbi, estádio do São Paulo.

sábado, 17 de dezembro de 2011

FGTS e a Copa

Dilma Roussef em um ato de lucidez vetou mais uma manobra dos empresários do esporte nacional que vem se utilizando do chamado fundo público para tocar os seus projetos.

Como se já não bastassem as linhas de créditos que estão disponíveis via BNDES, eles queriam utilizar o recurso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviços (FGTS) nos empreendimentos relacionados à Copa do Mundo e às Olimpíadas.

A sugestão do veto veio dos Ministérios da Fazenda e do Planejamento.

domingo, 11 de dezembro de 2011

MMA: para pensar e abrir o diálogo

Escrito pelo professor Elson Moura (Univ. Estadual de Feira de Santana)

Assim como todo lutador que tem acesso aos canais de luta, me preparei ontem para assistir o UFC 140, com a participação de 3 Brasileiros. Aliás; eu e uma centena de pessoas que hoje se organizam em bares outrora reservados para os jogos de futebol (preferi assistir em casa).

É difícil para um faixa preta de Karate ficar indiferente a estes eventos. É, também, difícil para um estudioso da Cultura Corporal, neste momento, estudando sua mercadorização, ficar indiferente ao que ontem aconteceu. Aproveito para abrir um diálogo fraterno com os que de um lado criticam, de outro – às vezes de forma romantizada- idolatram.

A forma como os dois Brasileiros (Rodrigo Minotauro e Lyoto Machia) terminaram suas lutas, merece, no mínimo, uma observação. O primeiro teve simplesmente uma fratura transversa no úmero por não ter desistido (os famosos 3 tapinhas) depois de um golpe encaixado (Kimura, se não me engano). O segundo apagou frente nossos olhos por, também, não ter desistido após um estrangulamento encaixado (Confiram a “assustadora” foto clicando aqui.

Já vi e tive algumas contusões: cortes e torções. Isso não quer dizer que veja isso como algo natural. Aliás, a época até era; dizia: “é o karate entrando”. Hoje, penso diferente. Não penso ser possível minimizar os impactos destas situações pelo simples fato de serem atletas preparados, saberem o que estão fazendo e terem aparato médico para socorrer; o que de fato, ontem, aconteceu.

Buscarei referência no próprio esporte. Aliás, quando a luta “abre o precedente” para ser esportivizada – que encontra no MMA sua máxima expressão- abre precedente, também, para tudo que este carrega.
O que para mim é notório – e teve ontem sua expressão- é o processo de alienação; neste caso, traduzindo como estranhamento.

O esporte que deveria me servir, onde deveria me reconhecer enquanto produtor e consumidor (consumo no ato de produção) passa a se estranhar de mim; passo a praticá-lo para atender a outros fins que não os diretamente ligados à minha satisfação. Passo a ter que valorizar uma marca, um clube, uma seleção, uma Confederação... uma mercadoria, às vezes minha própria força de trabalho enquanto mercadoria.

Isso trás consequências! Ou alguém acha normal um jogador se aposentar com 35 anos? Ter sua carreira interrompida por uma contusão? Jogar sem as melhores condições: o famoso “foi para o sacrifício”? Jogar com “infiltração”? Ver a menina Jadi, que nem a puberdade alcançou direito, já correr risco de aposentadoria? Estas até podem ser questões corriqueiras no esporte; jamais devem ser tidas como naturais!

Pois sim, este estranhamento invadiu a luta esportivizada: o MMA. O que existe por trás de um lutador que, convencido que o golpe está “encaixado” (gíria que significa que o golpe está eficiente), ainda assim não desiste?

Risco: os românticos dirão que são os princípios do guerreiro, melhor, do Samurai. Olá! O Bushidô, código, não escrito, de honra (Gi -justiça, Yu -coragem, Hei -cortesia, Jin - compaixão, Makoto - sinceridade, Meiyô -honra, Chugi - lealdade) esteve à serviço da luta de classes no Japão feudal (período conhecido como Shogunato).

O que estava, HEGEMONICAMENTE, em jogo ontem quando Minotauro e Machida não desistiram da luta? Qual império estava em jogo? Qual família? Qual clã? Os Samurais de outrora tinham um objetivo. Qual o objetivo dos de hoje?

Longe de anular – e os românticos gritarão!- os elementos constitutivos da ditas artes marciais, estas não estão à parte da universalização das relações mercantis. Ali, hegemonicamente, o que estava em jogo é o processo de valorização da mercadoria força de trabalho do lutador. Ao valorizar esta, valoriza uma centena de outras mercadorias incorporadas. Ou valoriza ou é demitido. “Valorizar”, entenda: ser agressivo e resistir até o fim!

Isto, também, trás características nas lutas esportivizadas e para os lutadores/atletas. Não naturalizemos o fato de ter um atleta estatelado, ainda assustado com o “estalo” no braço, enquanto outros comemoravam, davam entrevistas, assistiam o replay, ouviam os gritos de dor da torcida a cada vez que repetia a cena no telão... Acreditem, ao “ver” o estalo do braço, doeu aqui.

Longe de querer concluir sobre o assunto – como, aliás, alguns fazem- coloco mais este elemento, a alienação, para o debate.
Sigamos... OSS!!!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Luto na capoeira

"Morre" João Pequeno, o mestre maior da capoeira nacional e, por que não dizer, mundial. Abaixo um vídeo onde ele fala rapidamente sobre a sua trajetória

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Alguns sonham, outros não

O texto abaixo, provavelmente o penúltimo escrito pelo Dr. Sócrates, foi publicado na revista Carta Capital, ano XVII, n. 674, página 92. Nele, o tom perspicaz apresenta-se mais uma vez. De uma frase, de um gesto ou de uma postura, o mote para politizar a discussão e trazer à tona, tema essencial para o debate. Fiquemos com o texto lúcido e profundo do doutor. Ele fala por si.

“Eu tenho um sonho.” Essa frase praticamente define a ação do grande líder Martin Luther King (o rei da causa negra, eu diria), que passou a vida lutando pela igualdade de direitos entre brancos e negros nos Estados Unidos, em um tempo que privilegiava o homem branco no transporte, nas escolas, na cidadania. Foi assassinado em 1968 exatamente por lutar pelas conquistas que ele ajudou a serem alcançadas. Com destemor e liderança, enfrentou os maiores obstáculos, insurgiu-se contra a guerra e a discriminação. Marcou época em um período de grandes transformações sociais.
 O mesmo ano de 1968 ficou marcado pelas manifestações dos estudantes na Sorbonne parisiense, que ergueram barricadas em sua luta por mudanças. “Nós somos judeo-alemães”, era o grito que ecoava; queriam demonstrar que todos somos iguais, sejamos negros, sejamos árabes ou brancos. Esse era o slogan daquela juventude que lutava por liberdade, autonomia e independência. Provocaram muitas mudanças, colocaram de cabeça para baixo qualquer tradição ou vício social. Antes, as mulheres eram tratadas como menores e as opções sexuais como fantoches. Daniel Cohn-Bendit simbolizou aquele movimento. Dani,comotodos os outros, também tinha um sonho.

Ellen Sirleaf, a primeira mulher a ser eleita presidente da Libéria; Leymah Gbowee, também liberiana e que liderou a chamada greve de sexo de suas compatriotas; e Tawakul Karman, ativista iemenita, figura fundamental no país onde praticamente se iniciou a Primavera Árabe, que derrubou boa parte dos antigos regimes de várias nações árabes neste ano, foram agraciadas pelo Nobel da Paz de 2011 por suas lutas pelos direitos das mulheres africanas, pela paz e pela democracia. Essas fortes mulheres também têm um sonho.

Nelson Mandela lutou a vida toda contra o apartheid, termo que explicita a segregação racial então vigente na África do Sul, onde a população negra não possuía os mesmos direitos políticos, sociais e econômicos que a minoria branca. Por isso permaneceu preso durante 26 anos. Nelson é autor de frases definitivas como: “Sonho com o dia em que todas as pessoas se levantarão e compreenderão que foram feitos para viver como irmãos” ou “não há caminho fácil para a liberdade”. Ou ainda “a queda da opressão foi sancionada pela humanidade e é a maior aspiração de cada homem livre” e “uma boa cabeça e um bom coração formam uma formidável combinação”. Mandela até hoje corre atrás dos seus sonhos e aspirações de liberdade, igualdade e fraternidade entre os homens. Um belo exemplo de compromisso com seu povo e com a humanidade.

Entre os brasileiros também encontramos idealistas natos, como Luiz Carlos Prestes, que doou sua vida e até acompanhou a morte da mulher Olga, assassinada em um campo de concentração nazista, por uma causa onde a justiça e a igualdade eram os valores proeminentes. Ou Antonio Conselheiro, líder de Canudos, cuja guerra foi tão bem relatada por Euclides da Cunha em Os Sertões. Com a gente paupérrima e sofrida pela fome, seca e falta de perspectiva econômica e social, ele criou uma comunidade de pura sobrevivência e que foi esmagada pelo Exército brasileiro. Como se perigosos fossem. O único perigo,como sempre, era o do exemplo que poderiam dar a gente com os mesmos problemas. Eles também sonharam.

Inversamente, há poucos dias, o presidente da Fifa veio a público para dizer que não há racismo no futebol e que as agressões que ocorrem dentro de campo poderiam ser resolvidas com um simples aperto de mãos. Uma visão cega e fascista da realidade. Os negros estão expostos na sociedade ocidental desde sempre e isso não desapareceu. A reação foi imediata e o fez recuar, mas um pensamento não desaparece por causa do que provoca. Tentar esconder algo tão incrivelmente absurdo é de uma ingenuidade que um ser de 70 anos não tem o direito de possuir. Pior, utilizar análises simplistascomoessa, para encobrir a realidade daquilo que comanda, é pura perversão de caráter.

Nada mais endêmico (junto com a corrupção) entre aqueles que comandam o futebol. Certamente os negros de todo o planeta se sentiram agredidos, menos um: Pelé. Que de preto parece ter somente a cor da pele. Ele não só corroborou com a tese de Blatter como acrescentou outras bobagens nascidas de seu pseudointelecto. De uma coisa sabemos de há muito: Pelé jamais sonhou com o que quer que seja.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Sócrates. Presente!!!


Sócrates foi um lutador. Peça raríssima em um meio, o esportivo, tendo o futebol à frente, que a cada dia exala odores fétidos e repugnantes. A melhor forma de homenagear este brasileiro com todas as letras, é continuar lutando pelas suas ideias e ideais no campo esportivo e fora dele. O Sport Club Corinthians Paulista (SCCP) sagra-se campeão em um momento de luto pelo seu atleta maior, que conseguiu transcender as quatro linhas dos gramados de futebol, sendo "craque de bola" e a enxergando como expressão da política, da economia e da cultura do povo brasileiro. Sócrates se vai, tendo combatido o bom combate. Sócrates estará sempre presente no espírito de todos os que lutam por um Brasil substantivamente democrático.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Romário e Ronaldo: campos opostos

“Ronaldo é inteligente e espero que não escorregue nas cascas de banana que certamente porão em seu caminho.

Para o futebol brasileiro ele é importante, respeitável e com uma história de honestidade.

Já conversamos duas vezes por telefone depois que foi escolhido e o aconselhei a pedir uma auditoria desde que o COL foi criado até o dia de sua nomeação.

Ele me disse estar seguro do que está fazendo.

E se um dia ele vier à Câmara dos Deputados sabe que terei de fazer o meu papel, não de amigo, mas de deputado”.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Câncer mata zagueiro do Bragantino

O Bragantino está de luto. O zagueiro Gustavo Valezzi, que estava afastado dos treinamentos desde o início da temporada para tentar se recuperar de um câncer, não resistiu e morreu na manhã deste domingo, no Hospital do Câncer, em São Paulo.

Leia a matéria completa no UOL clicando aqui.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Tragédia da Fonte Nova: 4 anos atrás

Hoje completam quatro anos da maior tragédia do futebol baiano e por que não dizer, do futebol nacional: a morte de sete torcedores do Esporte Clube Bahia na partida válida pelo brasileiro da Série C. Na oportunidade o Bahia empatou com o Vila Nova em 0 x 0, resultado que levava o esquadrão para a Série B.

Na época o Esporte em Rede não existia. Eu alimentava um outro blog, o Movimento do Real e lá postei algumas considerações sobre o fato. Seguem abaixo, na sequência, as postagens da época.

POSTAGEM 1 (Tragédia na Fonte Nova)

Infelizmente, o que poderia ter si
do um jogo festivo, já que o Bahia com o empate de 0 a 0 com o Vila Nova de Goiás conseguiu ascender a Série B do campeonato brasileiro, acabou se transformado em uma catástrofe.


7 torcedores morreram e outros 60 se encontram em estado grave no Hospital Geral do Estado por conta do desabamento de parte das arquibancadas do anel superior da Fonte Nova.


O jogo já havia terminado e os torcedores comemoravam a subida do Bahia para a Série B do Brasileirão 2008 quando caíram de uma altura de mais ou menos 20 metros.

POSTAGEM 2 (Tragédia na Fonte Nova - Parte 2)

Quem são os culpados? Quem vai pagar pelos acontecimentos ocorridos no final da partida de ontem no Estádio Octávio Mangabeira, mais conhecido como Fonte Nova, quando no lugar dos gritos de alegria e de festa pela ascensão do Esporte Clube Bahia à Série B do Campeonato Brasileiro, tivemos choros e gritos de angústia e desespero por conta das vítimas do desabamento de uma parte da arquibancada?


Essas perguntas atravessaram toda a programação do “Se liga Bocão”, e do “Balanço Geral”, dois dos principais programas populares aqui de Salvador que vão ao ar todo meio-dia.

Importante salientar que todos os dois programas são ancorados por radialistas. Um, que atualmente trabalha nas transmissões esportivas pela transamérica e o outro, que já trabalhou por muito tempo como comentarista esportivo.

Todos os dois buscaram culpados pela tragédia que acabou sobrando para o Governo do Estado e o Superintendente da SUDESB (Superintendência de Desportos do Estado da Bahia), o ex-jogador do Bahia, Bobô.

Sem querer tirar as responsabilidades dos elementos citados acima, gostaria de pontuar o que considero ser importante. Em nenhum momento a imprensa esportiva baiana, que vive a incentivar os torcedores do Bahia para que encham a Fonte Nova, para que lotem o estádio e prestigiem o seu “esquadrão de aço”, se posicionou de forma crítica sobre os seus próprios atos.

Se a imprensa sabia dos laudos técnicos sobre a Fonte Nova que apontavam para uma reestruturação da mesma, por que incentivava tanto os torcedores a irem ao estádio? Por que ao invés disso, não esclarecia o torcedor sobre os riscos iminentes de uma lotação excessiva da Fonte Nova?

Agora a mesma imprensa que aplaudia os 50, 60 mil torcedores que iam à Fonte Nova torcer pelo seu time do coração, que enaltecia em todas as programações radiofônicas ligadas ao esporte o fato de em plena série C, o time do Bahia colocar uma média de mais de 30 mil torcedores por partida, apedreja o Estado, que diga-se de passagem não pode se responsabilizar em manter e construir uma praça esportiva para uma agremiação de cunho privado, seja ela qual for.

Mas isso é assunto para um outro comentário. Por ora, fica aqui registrado a necessidade da imprensa esportiva baiana fazer o seu dever de casa, registrando também, não a sua culpa, mas ao menos a sua parcela de responsabilidade no episódio.
 
POSTAGEM 3 (Implosão, não!!!)
 
Em minha humilde e em relação às opiniões expressas em um dos maiores jornais do norte e nordeste do Brasil, solitária opinião, sou contra a implosão da Fonte Nova e a favor de uma consulta pública sobre o destino da mesma, com amplo debate envolvendo setores organizados da sociedade civil.

Aos meus ouvidos não soou bem a determinação do governador do estado da Bahia de implodir a Fonte Nova. Caso ele queira implodir a casa dele, tudo bem, não tenho absolutamente nada com isso, mas implodir um patrimônio público sem consulta pública e amplo debate é uma posição, no mínimo, autoritária. Quero crer que a posição do governador se deva às pressões políticas e da opinião pública que ainda assim explica, mas não justifica tal atitude.

Lembro-me perfeitamente bem que em uma enquête levada ao ar pela TV Bahia, no sábado que antecedeu ao trágico jogo, mais de 60% dos telespectadores eram contra a implosão da Fonte Nova.

Precisamos acalmar os nossos ânimos e discuti de forma ampla e democrática, o destino deste estádio que é de todo cidadão baiano (capital e interior) e não do Esporte Clube Bahia. Estou profundamente sensibilizado com o ocorrido, mas não posso concordar, sem discutir com a população de uma forma geral, o destino que devemos dar, antes de tudo, a um patrimônio público. Penso, até, que é um bom momento para discutirmos as políticas de esporte e lazer do estado.

Fica aqui a minha opinião. IMPLOSÃO, NÃO!!! CONSULTA POPULAR E DEBATE AMPLO COM SETORES ORGANIZADOS DA SOCIEDADE CIVIL, SIM!!!

domingo, 20 de novembro de 2011

Palmares Esporte Clube

A data de hoje, 20 de novembro, é alusiva ao Dia da Consciência Negra. É também data da morte de um lutador do povo, Zumbi dos Palmares, morto no ano de 1695 pelas forças reacionárias do Brasil colonial.

Mais do que a luta contra a escravidão, Zumbi dos Palmares representa a luta pela libertação de um povo oprimido pelo julgo português, um povo que se queria livre de todas as formas opressivas, sendo a escravidão apenas uma delas e que ainda continua a imperar no nosso país e no mundo.

Indicadores sociais apontam que de duas milhões de mulheres, em sua maioria imigrantes, trabalham nos Estados Unidos em condições de escravidão, sem nenhum tipo de proteção trabalhista, a mercê dos humores e desejos dos seus patrões.

Na América Latina e Caribe, são 180 milhões de afrodescendentes considerados 'invisíveis'" (A TARDE, Opinião, Caderno A2, 20.11.11). No mesmo texto de onde tirei este dado, do jornalista e pesquisador Nilton Nascimento, é apresentada a impressão da "Condoleezza Rice, primeira mulher afro-americana a se tornar secretária de Estado nos EUA" da visita que a mesma fez na Bahia. Diz ela: "Durante a visita eu me surpreendi como a divisão racial no Brasil. Os brasileiros sempre sustentaram que não têm problema racial. Pareceu-me que nos serviços braçais ficam os africanos (...); nos serviços, os mulatos (...); e os funcionários do governo têm ascendência europeia/portuguesa. O Brasil foi o Páis mais parecido com os Estados Unidos na sua composição étnica, mas parece ter tirado pouco proveito da revolução pelos direitos civis que mudou a face da política e da sociedade americana"

Esses problemas raciais são materializados no âmbito do emprego, da educação, do rendimento e, também, no âmbito esportivo. O caso mais clássico é o da Olimpíada de Berlim, realizada em 1936. Na oportunidade, Adolf Hitler queria demonstrar a superioridade da chamada raça ariana. Mas a estética hitlerista foi ofuscada pelo campeão maior deste evento esportivo, o negro Jesse Owen.

Em 2005, tivemos o episódio que envolveu o atacante Grafite com o zagueiro Desábato, em partida válida pela primeira fase da Copa Libertadores. O jogador do São Paulo acusou o argentino de racismo. Em 2009, um caso parecido ocorreu no clássico entre Grêmio e Cruzeiro, na partida semifinal da Copa Libertadores, desta feita entre o atacante do Grêmio Maxi López e o volante do Cruzeiro Elicarlos. Segundo este, o argentino López o teria chamado de "macaco".

Na última sexta-feira, o presidente da FIFA teve que se retratar e pedir desculpas pela declaração polêmica de que "os incidentes de racismo nos campos de futebol deveriam ser resolvidos com apertos de mão no encerramento das partidas". (Matéria completa aqui) e hoje, saiu a notícia no caderno de esporte A TARDE, que "a UEFA multou a Federação Búlgara em 40 mil euros pelos incidentes de caráter racista ocorridos em 2 de setembro, em Sofia, no jogo contra a Inglaterra pelas eliminatórias para a Euro-2012. A multa teve origem atitudes discriminatórias de torcedores. Parte do público imitou sons de macacos quando os jogadores negros da seleção inglesa tocavam na bola".

Pelo exposto, Zumbi vivo, ainda teria muito o que fazer. Mas sua luta, a de Milton Santos, a de Nilton Nascimento entre muitos lutadores do povo, fica como lição para todos que acreditam que um outro mundo é sim, possível. Esses e outros, com certeza, formariam um exitoso time de futebol, o Palmares Esporte Clube.

sábado, 19 de novembro de 2011

Em busca da verdade

O Superior Tribunal de Justiça determinou que o sigilo bancário e o fiscal de Orlando Silva (ex-Ministro dos Esportes) e Agnelo Queiroz (atual Governador do Distrito Federal e responsável direto pela estruturação do Ministério dos Esportes no primeiro mandato presidencial do Lula) fosse quebrado.

Esta decisão dá continuidade à investigação de desvio de verbas no referido Ministério e foi solicitada pelo procurador-geral da República, o senhor Roberto Gurgel.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

O relógio parou. A mobilização caminha

Pode não ser nada. Mas me causa espanto ver um relógio de contagem regressiva que marca o prazo para o início da Copa do Mundo de 2014 parar. Foi o que aconteceu em Cuiabá, uma das cidades sedes da Copa com larguíssima tradição no futebol brasileiro.

E parou simplesmente por falta de pagamento. O mesmo custou a bagatela de 74 mil reais.

Talvez por essa e outras, os sindicatos de obras da Copa estejam se articulando para construir uma pauta única de reivindicações com o intuito de negociar com a indústria da construção civil melhores condições de trabalho.

Ítens como piso salarial unificado, hora extra, plano de saúde e participação nos lucros entre outros, já estão sendo construídos e serão entregues à Confederação Nacional da Indústria, ao Ministério do Trabalho e à Secretária Geral da Presidência da República.

Para a FIFA, os trabalhadores levarão uma singela exigência. Que a mesma conceda um ingresso para que cada trabalhador, que ajudou a construir os estádios nos diferentes estados da nação, possa assistir a uma partida da Copa do Mundo de futebol.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Esporte e política

O governador Jaques Wagner recebe nesta quinta-feira (17), às 16h, na Governadoria, o campeão mundial de peso-pesado do UFC (Ultimate Fighting Championship), Júnior dos Santos, o Cigano, catarinense de 27 anos radicado na Bahia, que nocauteou, na madrugada do último domingo (13), Cain Velásquez, tirando a invencibilidade do americano e conquistando o cinturão da categoria dos pesados da maior organização do mundo. Cigano é o primeiro brasileiro a ter o cinturão dos pesos-pesados do UFC, organização profissional de artes marciais mistas, que promove a principal série de eventos esportivos de MMA (evolução do “vale tudo”).


Do Política Hoje

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Que venha a Copa...enquanto isso...

Faltando menos de 60 dias para começar o Campeonato Baiano de 2012, a situação de algumas praças esportivas do Estado já começa a preocupar. Nesta semana, o blog Atlético de Alagoinhas (atletico-ba.blogspot.com) denunciou a situação de abandono no Estádio Antônio Carneiro (foto), em Alagoinhas.


A prefeitura Municipal iniciou, neste ano, uma série de obras no estádio. O objetivo era recuperar toda a estrutura do Carneirão, que tem capacidade para cerca de 30 mil torcedores, mas atualmente abriga apenas 12 mil.

De acordo com o blog, as obras, que tinham previsão inicial para serem encerradas antes do Baianão 2012, estão paradas. O motivo seria a retirada dos funcionários pela empresa que realiza as melhorias devido à falta de pagamento.

O Antônio Carneiro será utilizado pelo Carcará na competição estadual. Porém, se o impasse continuar, o clube poderá mandar seus jogos em outro local.

Retirado dos Galáticos On Line

domingo, 13 de novembro de 2011

UFC: a batalha pela audiência

Ontem estreou na Globo, canal aberto, um dos eventos esportivos mais promissores da televisão fechada, o Ultimate Fight Championship, ou UFC, a marca mais conhecida do fenômeno midiático que se espalha como um vírus nas diferentes mídias, o Mixed Martial Arts (Artes Marciais Mistas) ou, simplesmente, MMA.

Para transmitir o evento, foi escalado o narrador esportivo mais odiado e adorado da televisão brasileira, Galvão Bueno que, inteligentemente, transportou, para a sua narrativa, bordões já conhecidos da audiência quando se trata de transmissão de jogos do selecionado brasileiro de futebol e das corridas de fórmula 1, dando um ar de proximidade/familiaridade ao "estranho" esporte para a maioria dos brasileiros que não o tinham assistido nos canais fechados.

Frases do tipo: “Haja coração, amigo, se prepara aí”; “Hoje ele é o Brasil no octógono”; “O Brasil inteiro na pegada firme de direita do Júnior”; "Júnior, Júnior, Júnior Cigano do Brasil" entre outras, dava o tom da transmissão, aparentemente nervosa do experiente narrador, que apesar de tudo, demonstrou segurança e conhecimento do esporte, se utilizando das linguagens técnicas característica da modalidade e criando um novo bordão, chamando os atletas do MMA/UFC de “gladiadores do terceiro milênio”.

Mas a pergunta que faço é: por que a rede globo de televisão resolveu transmitir em canal aberto uma modalidade esportiva das mais agressivas e violentas, geneticamente devedora do antigo vale-tudo, de muito sangue, briga e quebra-quebra que não se restringia aos atletas no ringue, mas, também, a sua atenta assistência, justamente em uma conjuntura que antecede mais um movimento de “pacificação” dos morros cariocas que, segundo dizem, gritam paz e não à violência? Respondo. Para manter, re-conquistar e ampliar sua assistência esportiva, que de acordo com os números do IBOPE sobre o Pan-Americano de Guadalajara, no México, transmitido pela Rede Record, diminuiu substantivamente.

Atualmente, a marca UFC se configura como o maior torneio esportivo do mundo quando se trata apenas de lutas, e está avaliado em 2 bilhões de dólares, uma cifra nada modesta e que seduz os empresários, principalmente os das redes televisivas e a vênus platinada, atenta a este movimento esportivo que vem ampliando a sua platéia, não poderia deixar este filão passar desapercebido, até por que, além das aferições do IBOPE durante o último Pan-Americano, a mesma perdeu, também para a Record, a transmissão dos Jogos Olímpicos de Londres e dos Jogos Pan-Americano de 2015 e 2019.

A luta de ontem entre Cain Velásquez e Júnior Cigano, bem que pode ser considerada, sem excessos, a mais um capítulo da luta de braço entre Rede Globo e Rede Record. No centro do combate o que se disputa é a conquista, manutenção e ampliação da audiência esportiva, o grande carro chefe das redes televisivas do mundo inteiro.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Mega indústria do futebol

No jornal A Tarde dessa quinta (10/11) foi publicado: "Neymar recebrá 3 milhões por mês". Isso para permanecer no Brasil e não seguir o mesmo caminho dos craques brasileiros que passam os melhores anos de suas carreiras nos clubes europes. Pelo menos até 2014 ele estará no Santos, assim reza o contrato.

Fico imaginando, a partir do sensacionalismo que a mídia faz em torno de uma notícia como essa, o que não passa na cabeça dos milhares de jovens e adolescentes - e de suas famílias também - que estão nas centenas de Escolinhas de Futebol espalhadas pelo país nutrindo o sonho de um dia serem um Neymar. Quando todos sabemos que menos de 1% desses jovens consegue chegar aonde estão Neymar, Robinho e todos os outros milionários da seleção brasileira. A grande maioria permanece em clubes pequenos recebendo até um salário mínimo. No início desse ano assisti a uma matéria em que um determinado time de uma cidade do interior (não lembro o nome do time nem de que estado) se dispôs a permanecer jogando de graça (sem salário) para o clube não fechar.

Essa mega-indústria do futebol brasileiro e esses salários milionários dos jogadores de futebol constituem um verdadeiro acinte à sociedade brasileira.
 
[TEXTO ESCRITO PELO PROFESSOR Otto Vinícius Agra Figueiredo, da Universidade Estadual de Feira de Santana, departamento de educação]

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Agradecendo

No último dia 08, o blog Esporte em Rede atingiu o Page Rank 4. Um número modesto, mas extremamente significativo no mundo dos blogs.

Se levarmos em consideração que o Esporte em Rede conta única e exclusivamente com contatos por email e não se sustenta em nenhuma plataforma conhecida (UOL, Globo.com, ESPN, SPORTV, por exemplo), e este que escreve não é nenhum sujeito famoso com cobertura midiática de nenhum tipo, o feito é mais do que considerável.

Só tenho a agradecer pela confiança, visita e participação. Se chegamos aonde chegamos, não tenho dúvida que isso devo a vocês. Um muito obrigado.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Formação do atleta brasileiro

"Solonei Rocha da Silva, que ganhou a maratona pan-americana em Guadalajara, é fruto de uma política de formação de fundistas da Confederação Brasileira de Atletismo? Não! Solonei, campeão, era lixeiro e explorou sua resistência nesse ofício para se tornar atleta." (José Cruz)

domingo, 6 de novembro de 2011

Famfs: mais uma vez, de novo e novamente...até quando?

"Estadão" denuncia problemas na pista de atletismo da Famfs


Na edição deste domingo (6) do jornal O Estado de São Paulo está publicada uma matéria que denuncia a não utilização da pista de atletismo da Fundação de Apoio ao Menor de Feira de Santana (Famfs), e a consequente inutilização de recursos federais. Veja abaixo a matéria do repórter Leandro Cólon, que esteve em Feira na última quinta.


O abandono de 15 mil metros quadrados de borracha destinados a pistas de atletismo simboliza, no interior da Bahia, o descontrole e a falta de critério que tomaram conta do Ministério do Esporte. A pasta abraçou uma ideia mirabolante e “pioneira” de um professor de capoeira e presidente da Fundação de Apoio ao Menor de Feira de Santana (Famfs): transformar pneus velhos em pistas de atletismo.

O resultado está nos galpões da entidade. O material está encalhado e abandonado, conforme verificou a reportagem do Estado na quinta-feira passada.

O professor Antonio Lopes Ribeiro, presidente da Famfs, é parceiro antigo do Ministério do Esporte. Nos últimos oito anos, levou R$ 60 milhões da pasta em convênios dos programas Segundo Tempo e Pintando a Liberdade/Cidadania. Ele é personagem de dois inquéritos no Ministério Público por irregularidades no uso do dinheiro da pasta.

Com o discurso da sustentabilidade, o professor se ofereceu para receber dinheiro do Esporte pela produção, nas dependências de sua entidade, de pistas de atletismo com placas de resíduos de borracha. O ministério topou e, desde 2007, começou a repassar verba para o projeto.

Em 2009, surgiu uma novidade: a fundação recebeu R$ 753 mil para fazer uma pista de atletismo móvel, a “primeira oficial do mundo”, segundo palavras do professor Lopes e do site do ministério, e mais outras quatro fixas, todas com pneus velhos. O contrato foi assinado pelo hoje secretário nacional de Esporte Educacional, Wadson Ribeiro.

O presidente da Famfs explicou a proposta ao Estado: “Tive uma ideia de botar uma lona embaixo e sair colando as plaquinhas de borracha. A duração é de 400 anos. Sou meio professor Pardal, fico inventando as coisas. E a pista tem a aprovação da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt)”.

Em resposta por escrito enviada ao jornal, a CBAt desmentiu o presidente da Famfs: “A CBAt desconhece oficialmente a existência dessa pista dita móvel e, de forma oficial, qualquer pista fabricada pela fundação. Nunca tivemos qualquer contato da fundação e não emitimos qualquer documento a respeito”.

Tribuna Feirense

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Medalha de ouro para o mosquito

No ano de 2007, quando da realização do Pan-Americano no Rio de Janeiro, tintas e mais tintas foram gastas e vozes e mais vozes soaram para nos convencer de que o evento seria a redenção da cidade maravilhosa.

Pois sim. Passados quatro anos do evento, o carioca agora é chamado para enfrentar o que será, segundo o secretário municipal de saúde do município, "a maior epidemia de dengue da história da cidade".

Ainda segundo o secretário, "desde o início do ano foram registrados na capital fluminense cerca de 71 mil casos da doença, com 51 mortos".

Medalha de ouro para o mosquito.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Sobre Brasil e Cuba

Breve reflexão sobre o Pan

por Igor Felippe

O Brasil terminou os Jogos Pan Americanos, em Guadalajara, no México com 48 medalhas de ouro, dentro de 141 no total.

Cuba, uma pequena ilha de 110.861 km2 e 11 milhões de habitantes, fechou os jogos com 58 medalhas de ouro, em segundo lugar, somando 136 medalhas.

Como uma ilha do tamanho do estado de Alagoas e com o número de habitantes do Rio Grande do Sul pode ganhar mais medalhas de ouro que o Brasil e ficar apenas atrás dos Estados Unidos no Pan?

(Retirado do Blog Vi o mundo)

domingo, 30 de outubro de 2011

O Pan-Americano e os Jogos Olímpicos

O Pan-Americano de 2011 se encerra hoje, na cidade de Gadalajara, no México. Os dirigentes do Comitê Olímpico Brasileiro fizeram uma avaliação positiva da participação nacional no evento. Dos 515 atletas que fizeram parte da delegação nos jogos, 277 conquistaram alguma medalha. Uns conquistaram mais de uma.

O Brasil terminou em terceiro no quadro geral de medalhas (primeiro foram os Estados Unidos e Cuba ficou em segundo), totalizando 141. Destas, 48 foram de ouro. Comparados com o Pan do Rio de Janeiro em 2007 e o Pan em Santo Domingos, em 2003, onde a delegação brasileira conquistou 157 medalhas, sendo 52 de ouro e 123 medalhas, sendo 29 de ouro, respectivamente, o salto foi positivo.

Considerando o quadro geral de medalhas, o Brasil sobe para a segunda colocação, já que Cuba totalizou 136 medalhas.

No entanto, se fizermos uma análise tomando como referência os Jogos Olímpicos de Londres, no próximo ano, aí o negócio pega. Das 93 vagas que o Brasil buscava garantir, apenas 23 delas foram preenchidas. Tudo bem que eram 97 vagas para todos os países que participavam do Pan, mas ficar com pouco mais de 25% por cento das vagas, é muito pouco para o montante do que se investi na preparação dos atletas. Talvez isso seja um reflexo de como se prepara o atleta nacional. Dinheiro tem. E muito!!!

O Pentatlo com Yane Marques, o Hipismo, que leva cinco atletas, o handebol com 14, o triatlo com Reinaldo Colluci e a canoagem com Erlon Souza e Ronilson Oliveira foram os contemplados e já carimbaram seus passaportes para os Jogos Olímpicos de Londres, 2012.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Orlando Silva sai hoje.

Na nossa última enquete, que se referia a saída ou não do minstro dos esprotes Orlando Silva da pasta, 8 votaram a favor a sua saída e 1 voto foi contra.

Pois bem. O ministro sai e tudo indica que ele entrega a pasta ainda hoje. No entanto, a mesma ainda fica nas mãos do partido do ministro, o PC do B. Os estados de São Paulo, Pernambuco ou Maranhão são os mais contados, sendo representados por Aldo Rebelo, Luciana Santos ou Flávio Dino, respectivamente.

É bom lembrar que Luciana Santos era a preferida da presidenta Dilma, no início da formação do seu ministério. Pode dar ela. É esperar para ver.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Brasil vs Costa Rica

Pelo Pan-americano de Guadalajara, ontem, quem conseguiu assistir ao jogo do Brasil contra a Costa Rica no futebol masculino até o apito final merece ganhar a medalha de ouro.

Futebol péssimo, transmissão ruim, narração mais do que ufanista do tipo “Tem que honrar a camisa amarela” e outros chavões de sempre e comentários do baixinho Romário pra lá de equivocados, colocando o fiasco da derrota da seleção na conta da CBF, que não mandou "força máxima".

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Orlando, por enquanto, fica.

Romário foi cogitado para o cargo de Ministro dos Esportes. O mesmo se encontra em Gadalajara, comentando os jogos da seleção brasileira. Pelé foi sondado e não aceitou ocupar o Ministério. Orlando Silva, enquanto isso, fica no cargo.

O PM que disse que iria apresentar as provas contra o ministro, até agora, nada. Vamos ver o que a revista Veja, neste final de semana vai aprontar.

Quem apostou na queda do ministro nesta sexta-feira, caiu do cavalo. Eu fui um dos que tomei o baque.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Ricardo Teixeira: ninguém sabe, ninguém viu

O caso Orlando Silva, ainda Ministro dos Esportes brasileiro, caminha a todo vapor na mídia falada, escrita e televisionada. Ontem ele compareceu à Câmara de Deputados para dar esclarecimentos sobre as denúncias que alvejam tanto ele quanto o seu partido, o PC do B.

O policial miliatar, senhor joão Dias Ferreira, autor das denúncias, instigado pela oposição, disse que vai apresentar as provas contra o ministro amanhã, quinta, dia 20 para a Polícia Federal, denúncias que dizem respeito, também, ao exercício de 2008. Tamanho hiato temporal exigiu uma explicação: "Falei agora por uma questão de mídia. As denúncias feitas agora têm impacto devido à Copa do Mundo. Foi estratégico, isso. Tenho gravação de uma conversa mantida em reunião, em 2008, na calada da noite, no sétimo andar (no Ministério). O encontro foi entre 21 e 23 horas", disse o PM. (Política Hoje).

Estamos esperando o desdobrar dos fatos. Nos corredores do Congresso, vozes já falam em demissão do Ministro Orlando Silva pela presidenta Dilma Rousseff. É aguardar para ver no que vai dá. Mas o que causa estranheza a este blogueiro não é a voz ensurdecedora da mídia nativa sobre o fato, mas o seu silenciamento a respeito das denúncias de corrupção a envolver o senhor Ricardo Teixeira, o que motivou, inclusive, movimento no twitter denominado #foraricardoteixeira e consequente passeatas pelas ruas do Rio de Janeiro.

Se a mídia, que mais uma vez demonstra ter um lado, muito embora teime em falar sobre isenção, se empenhasse um terço sobre o caso de denúncias sobre Ricardo Teixeira, talvez o mesmo já estivesse fora da CBF, para o bem do futebol nacional.

Vamos investigar os fatos. De um, a envolver o senhor Orlando Silva e do outro, o senhor Ricardo Teixeira que a propósito, sumiu!!! Ninguém sabe, ninguém viu!!!

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Record vs Globo

Os Jogos Pan-americanos que ocorrem na Cidade do México desde sábado, colocam a Record e a Rede Globo em disputa, mas não pelo pódium.

A Rede Record que transmite com exclusividade o evento, acusa a vênus platinada de piratear as imagens de abertura da competição.

Quem vencerá a contenda?

domingo, 16 de outubro de 2011

Muito estranho

Há muito tempo que diversas ONG´s de diferentes estados da nação brasileira vem se utilizando do dinheiro do Ministério dos Esportes, assim como vário empresários de diversos ramos vem se utilizando do Fundo Público, para desenvolver seus projetos humanitários, ações para inclusão social entre outras cantilenas.

Sabendo disso, meus botões, companheiros sempre atentos, me perguntaram: por que somente agora a revista Veja resolveu escrever uma matéria sobre o caso? A resposta provável é que somente agora o próprio ministro Orlando Silva está envolvido diretamente na denúncia. Portanto, a denúncia se personaliza. Penso eu. Se os atos de corrupção estiverem na esfera externa e não atingirem os ministros, bastam apenas algumas matérias em revistas que poucos leem e tá bom. Mas quando o caso toca na carne do senhor ministro da pasta em questão, cabe que o eco da matéria escrita reverbere nos canais de televisão.

Muito estranho isso.

De qualquer modo, tem que averiguar. Mas seria importante, também, que outras capas de revistas semanais chegassem às telas da globo. A revista Carta Capital do dia 5 de outubro aponta um nível de corrupção muito grande envolvendo as forças armadas do país. Este caso dormita nas redes televisivas.

Muito estranho isso.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

A Fifa pode tudo, amparada pela lei

A instalação da comissão especial que vai debater o projeto de Lei geral da Copa foi adiada para a próxima semana.

De acordo com o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), nem todos os partidos indicaram seus integrantes. Na avaliação do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), a Lei Geral da Copa deixa o consumidor-torcedor à mercê das vontades e caprichos da Fifa. Caso o texto não sofra alterações no Congresso, a entidade máxima do futebol terá total liberdade para promover práticas abusivas com a venda casada - quando, por exemplo, o comprador é obrigado a adquirir um pacote de viagens junto à entrada da partida - e a não reparação de eventuais danos.

O Idec avalia que o projeto coloca em risco direitos garantidos pelo Estatuto do Idoso, o Estatuto de Defesa do Torcedor, as leis estaduais de meia-entrada para estudantes e, sobretudo, o Código de Defesa do Consumidor.

[MATÉRIA RETIRADA DA CARTA CAPITAL, ano XVII, nº 667, outubro 2011, p. 21)

domingo, 2 de outubro de 2011

Ode ao pessimismo da razão: em busca do otimismo da vontade

Ao pessimismo da minha razão soma-se o otimismo da minha vontade. Ambos estabelecem uma luta intestina, dialogam em muitos momentos tendo a bílis como mediação. De maneira alcalina e amarga, o diálogo segue reconhecendo o continente da caixa de pandora e o seu tênue conteúdo: a esperança.

Mas até este reconhecimento é questionado. Meus botões chamam a minha atenção para manobras ideológicas presentes em frases do tipo "quem espera sempre alcança" ou "a esperança é a última que morre", lembrando-me que morre. Um soco no fígado.

Mas não somos nós que fazemos a história, professor? Lembra-me um jovem e otimista estudante atento, coisa rara nos dias de hoje. A minha razão (meu deus, por que tanto pessimismo), grita, silenciosa, em sua direção: mas não a fazemos como queremos.

Incorrigível razão. É o fígado ganhando do coração. Mas continua o insistente jovem, resoluto, com sua esperança (será vã?), clamando aos meus tímpanos -  talvez por ter lido nos meus olhos descrentes o grito silencioso da minha consciência - palavras regidas por Paulo Coelho. Ninguém é perfeito, penso rapidamente. Lembra-me do Alquimista, insisti na conspiração do universo: quando algo tem que dar certo, o universo conspira para que assim seja.

Será verdade? Mas se conspira para que seja como gostaríamos que fosse, também conspira para o outro lado. O mesmo deus que me abençoa com o gol, não é o que castiga o goleiro? Não são as lutas do contrário que movem o mundo? Incorrigível. Sou realmente um pessimista. Entre este e o otimismo, vence o pessimismo. Um ao outro que se soma que nada. Pura falácia, rico sofisma. Pensei em voz alta.

Tentei, professor. Mas acho que realmente não vou consegui. Na verdade, é disso que compõe seus textos, suas postagens. Nas entrelinhas, se lermos com cuidado, encontraremos amargura, rancor e sentiremos a vibração do seu fígado ao som dos teclados, condenando Pandora à morte. É de bílis o substrato dos seus bits. O senhor é um pessimista incorrigível!!!

Reflito. Tempestades neurônicas castigam o meu cérebro. Em um esforço enfadonho, de quase indiferença, replico: mas não seria o pessimista, um otimista mal informado?

sábado, 1 de outubro de 2011

#foraricardoteixeira

Coincidentemente, no mesmo dia em que a The Economist publicou um artigo sobre o Ricardo Teixeira o mesmo baixou hospital. Claro que não foi só por isso mas sim, penso eu, pelo conjunto da sua obra, que vem sendo questionada já há algum tempo por diversos meios de comunicação, inclusive, muito embora, rapidamente, pela conhecida vênus platinada, seu maior xodó.

Enquanto ele segue internado, eu sigo torcendo pela recuperação do futebol brasileiro, tal como já afimei em postagem anterior. Minha tradição cristã, há muito abalada, não torce nem um milímetro pela sua recuperação. Quando se tem um câncer o que mais se quer não é eliminá-lo? Ricardo Teixeira é este câncer. Ele só não. Mas digamoss que ele é o câncer maior.

Sei que serei criticado por esta visão pouco cristã. Não me importo. Aliás, duvido muito se este senhor não faria o mesmo que fez Pôncio Pilatos, condenando, mais uma vez, Jesus Cristo para morrer crucificado, mesmo reconhecendo sua inocência e história, por um belo quinhão de dólares.

Recentemetne na revista Piauí esse bom moço, de alta formação católica, afirmou: “Em 2014, posso fazer a maldade que for. A maldade mais elástica, mais impensável, mais maquiavélica. Não dar credencial, proibir acesso, mudar horário de jogo. E sabe o que vai acontecer? Nada". Esta é a verdadeira face deste senhor dos anéis, que tripudia com um dos maiores símbolos do povo brasileiro, o futebol. Faz dele o que quer e bem entende.

Mais sei que muitos espíritos cristãos intercederão sobre o mesmo. Respeito. Mas não esperem isso de mim. A campanha continua. #foraricardoteixeira

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Ricardo Teixeira internado


Ricardo Teixeira é internado com dores abdominais e passará noite em hospital do Rio. Enquanto isso, estarei torcendo pela recuperação do futebol brasileiro.

Brasil sem Miséria X Copa do Mundo

O problema maior talvez seja não o que se faz com o argumento sobre o legado da Copa, este tão incerto quanto o amanhã. Mas, sobretudo, o que deixa de ser feito enquanto desenvolvimento econômico e social para o povo brasileiro. Se gasta muito por um evento de poucos dias nas cidades. Veja bem. A Copa tem um mês de duração, mas ela vai se esvaindo na medida em que vai avançando os jogos. Teremos estados da nação que farão três jogos e pronto. Um estádio no valor de bilhões de reais para sediar três jogos de um torneio mundial? O que este dinheiro todo daria para fazer independente de termos ou não a Copa do Mundo?

Na terça-feira última (27) o Congresso Nacional destinou R$ 980 milhões ao Plano Brasil sem Miséria, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Mas, analise comigo. Somente para a construção da Arena Fonte Nova, aqui em Salvador, Bahia, o valor inicial estimado é de R$ 591 milhões. A Arena Amazônia junto com a Arena Pantanal, estados sem tradição futebolística, juntas, somam R$ 855 milhões. Originalmente, pois sabemos que os orçamentos sempre se alteram para cima. Só o estádio do Corinthians, sozinho, vai levar a bagatela de R$ 1 bilhão. Somados, apenas estes estádios perfazem quase o triplo do destinado à principal bandeira do governo Dilma, a erradicação da miséria. Imagine se este projeto não fosse a “menina dos olhos” do governo?

Em 2009, para engabelar os trouxas, o senhor Ricardo Teixeira afirmou, por escrito, que esta seria a Copa da iniciativa privada. Que o Estado gastaria muito pouco. Pois bem, hoje sabemos, pela matéria que circulou na folha de São Paulo em fevereiro último, do jornalista Sérgio Rangel, que a Copa 2014 terá 98,5% de dinheiro público. Ao mesmo tempo, sabemos que 2/3 de todo o esgoto gerado no país não recebe tratamento adequado. Aliás, não recebe tratamento algum. É mole? E saneamento básico é um dos principais quesitos para avaliar o índice de desenvolvimento de um país. Seremos campeões em diarréia.

São por essas e outras que comecei o texto afirmando que o problema maior talvez seja não o que se faz com o argumento sobre o legado da Copa, mas, sobretudo, o que deixa de ser feito enquanto desenvolvimento econômico e social para o povo brasileiro quando se gastam bilhões de reais na construção de estádios de futebol. E ainda querem que acreditemos que tudo isso vai trazer prosperidade e desenvolvimento para a nação. Pois sim. A Europa combalida pela crise financeira já sediou vários megaeventos e até onde sei está mergulhada até o pescoço no pântano do capitalismo financeiro.

Agora imagine esta dinheirama toda vindo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social), somados a pomposas isenções fiscais para construir, ampliar e equipar escolas. Promover cursos de capacitação para os trabalhadores em geral, aumento do salário dos professores. Aumento também da verba para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia em diferentes campos do conhecimento. Milhões ainda sobrariam para realizar outras ações que deixo para vocês pensarem.

domingo, 18 de setembro de 2011

Para os amigos, tudo. Para os inimigos, a lei

O temor de que Ricardo Teixeira negue credenciais do Mundial a seus inimigos, como a Record, fez o Governo Federal endurecer a discussão com a Fifa sobre a Lei Geral da Copa, recém-assinada. O impasse retardou a assinatura.

O governo exige que a Fifa defina regras claras para o credenciamento, o que dificultaria as retaliações. Dilma Rousseff quer que a entidade estabeleça critérios objetivos para determinar quem ganha ou não credencial. A federação explicou que ela sempre teve autonomia para dizer se aceita um pedido de credenciamento sem dar maiores explicações. E não seria diferente no Brasil.

O blog não teve acesso à redação final do documento, porém, dois dias antes da assinatura, prevalecia a vontade da presidente. A base governista no Congresso Nacional, que vai examinar a lei, será orientada para tentar impedir a bancada da bola de deixar a lei ao gosto do presidente da CBF e do COL.

Dilma e seu estafe se inspiraram na famosa entrevista de Teixeira para a revista Piauí. O cartola falou que poderia fazer a maldade que quisesse na Copa e usou as credenciais como exemplo.

Texto retirado do Blog do Perrone.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Cadê o legado?

Acordei hoje com a notícia de que a prefeitura da cidade do Salvador já iniciou estudos para conceder à iniciativa privada os serviços de operação e manutenção do Elevador Lacerda e do Plano Inclinado, símbolos históricos dos baianos e dos brasileiros e que percorre o mundo pelos cartões postais.

No estudo também se encontra a intenção de privatizar as estações de transbordo da cidade, incluindo, obviamente, a Estação da Lapa, a cereja do bolo destas.

O argumento para a privatização segue sendo o mesmo. Buscar garantir a qualidade dos serviços prestados para a população. Que lindo. Que pensamento nobre. Alguém aí contra a melhoria da qualidade dos serviços públicos? Óbvio que não. E como a prefeitura tá quebrada, passemos os serviços para o setor privado, que tudo resolve, sempre da melhor forma possível, para a satisfação geral da população.

Pois, sim. De minha parte, considero isso um absurdo e uma contradição com o que se vem "arrotando" com o tal legado da Copa do Mundo de 2014, pelos quatro cantos do país, onde Salvador será uma das sedes. Será que o governo não poderia incluir esses patrimônios públicos no tão falado legado da Copa? Por que não incluir suas revitalizações no planejamento voltado para a mobilidade urbana?

Há mais de um ano estamos ouvindo "mundos e fundos" de que com a Copa na Bahia o estado vai gerar isso, vai gerar aquilo e o que é melhor, terá o seu reconhecimento mundial, incrementando com isso o turismo e impactanto a receita dos municípios, principalmente de Salvador, o maior do estado, "blá, blá, blá, eu, eu, eu". Então, se tudo o que estão dizendo que vai acontecer, ocorrer mesmo, por que não tirar um pouco desta receita para criar um fundo de manutenção permanente destes e de outros patrimônios da cidade? Será que tudo tem que ser pago pelo povo que já paga tributos exorbitantes em tudo o que compra?

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Megaeventos: do urbanismo flexível à cidade de exceção

O Observatório da Copa Salvador 2014 promove, nesta quinta-feira, dia 15, na Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia (UFBA), uma palestra a ser proferida pelo Profº Carlos Vainer (IPPUR/UFRJ).

O tema da palestra que ocorre das 17:00 às 19:00 no auditório I da referida faculdade será: Megaeventos: do urbanismo flexível à cidade de exceção

Esperamos vocês lá.

domingo, 11 de setembro de 2011

XVII CONBRACE e IV CONIVE

PROGRAMAÇÃO DA TRANSMISSÃO ON-LINE, clique AQUI.
DOMINGO
11 SET

19h às 22h

Solenidade de Abertura

Homenagens

Entrega do Prêmio CBCE de Literatura Científica

Apresentação Cultural - Curso de Licenciatura em Dança da ESEF/UFRGS

SEGUNDA
12 SET

09h às 12h

Mesa I

MEGAEVENTOS ESPORTIVOS: papel das Ciências do Esporte

Nesta mesa se espera apresentar uma análise de implicações e efeitos de megaeventos esportivos em diferentes âmbitos do contexto nacional (econômico, político, social, educativo, políticas públicas) e relacioná-los com as contribuições possíveis da Educação Física/Ciências do Esporte nesse processo.

Convidados:

Dr. Gilmar Mascarenhas de Jesus (UERJ)

Dr. Fernando Mascarenhas (UnB)

Dr. Lamartine Pereira da Costa (UGF)

Moderador:

Dr. Alexandro Andrade (UDESC)

19h às 22h

Painel Literário

TEMAS POLÊMICOS DA REVISTA MOVIMENTO

Atividade informal, com a reunião de autores que escreveram na sessão de temas polêmicos da Revista Movimento da Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O tema desta atividade é “Mas afinal o que é Educação Física?”

Debatedores:

Dra. Celi Taffarel (UFBA)

Dr. Adroaldo Gaya (UFRGS)

Dr. Hugo Lovisolo (UERJ)

Dr. Valter Bracht (UFES)

Moderador:

Dr. Marco Paulo Stigger (UFRGS)

TERÇA
13 SET

09h às 12h

Programação conjunta entre GTT Movimentos Sociais e GTT Políticas Públicas

Mesa-Temática: Esporte e lazer na agenda pública nacional: reconhecendo os atores envolvidos e analisando os interesses atendidos

Convidados:

Dr. Lino Castellani Filho
UNICAMP

Ms. Fátima de Souza Moreira
UFPA

Moderador:

Dr. Sávio Assis de Oliveira
FASNE

QUARTA
14 SET

19h – 22h

Mesa II

TEORIA E PRÁTICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: currículos e realidade social

Nesta mesa se espera apresentar uma análise dos principais dilemas e controvérsias que ocorrem no cenário brasileiro quanto ao debate Licenciatura e Bacharelado em Educação Física, sobretudo, no que toca aos aspectos da legislação, currículos, articulação teoria e prática e seus impactos na realidade social.

Convidados:

Dr. Alex Branco Fraga (UFRGS)

Dr. Marcos Garcia Neira (USP)

Dr. Luis Armando Gandin (UFRGS)

Moderadora:

Dra. Roseli Teixeira Selicani (UEM)

QUINTA
15 SET

09h às 12h

Programação do GTT Epistemologia

Mesa-Temática: A Produção de Conhecimento em EF/ Ciências do Esporte/ CE – Qualidade x Quantidade: para onde vamos?

Convidados:

Dr. Silvio Sánchez Gamboa
UNICAMP

Dr. Paulo Fensteseifer
UNIJUÍ

Dr. Vicente Molina Neto
UFRGS

Moderadora:

Dra. Márcia Chaves-Gamboa
UNICAMP
SEXTA
16 SET

14h às 17h

Conferência final

EDUCAÇÃO FÍSICA DO FUTURO

Programação acadêmica com um convidado de relevância internacional. Nesta conferência apresentar-se-á um panorama da Educação Física no cenário Europeu/Mundial, objetivando a reflexão sobre suas possibilidades e limitações, enquanto fazer científico/prática pedagógica de comprometimento com a realidade social.

Convidado:

Dr. David Kirk (University of Bedfordshire)

Moderador:

Dr. Alberto Reppold (UFRGS)

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Governo paga R$ 6,2 mi por projeto da Copa que não saiu do papel

O governo federal repassou R$ 6,2 milhões a um sindicato de cartolas do futebol para um projeto da Copa do Mundo de 2014 que nunca saiu do papel. Sem licitação, o Ministério do Esporte contratou o Sindicato das Associações de Futebol (Sindafebol), presidido pelo ex-presidente do Palmeiras Mustafá Contursi, para fazer o cadastramento das torcidas organizadas dentro dos preparativos para a Copa. O contrato foi assinado no dia 31 de dezembro de 2010 e todo o dinheiro liberado, de uma vez só, em 11 de abril deste ano. O projeto, porém, jamais andou.

O Ministério do Esporte foi célere em aprovar o convênio, entre novembro e dezembro de 2010, com base em orçamentos e atestados de capacidade técnica apresentados pelo sindicato. O jornal O Estado de S. Paulo obteve os documentos. O negócio rápido e milionário teve um empurrão oficial de Alcino Reis, assessor especial de futebol do ministério e homem de confiança do ministro Orlando Silva (PC do B) - de quem é correligionário no PC do B.

O convênio, que faz parte do projeto Torcida Legal, foi assinado por Reis e pelo secretário executivo do ministério, Waldemar Manoel Silva de Souza. As empresas que aparecem como responsáveis pelos serviços do projeto nunca foram contratadas pela entidade dos cartolas, dirigentes de clubes, que leva o nome oficial de Sindicato Nacional das Associações de Futebol Profissional e suas Entidades Estaduais de Administração e Ligas (Sindafebol). Os atestados de capacidade técnica entregues ao governo, por exemplo, foram feitos pelo próprio sindicato. Informações são da Agência Estado/ IG

MATÉRIA RETIRADA DO POLÍTICA HOJE

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Mais um esporte brasileiro: pole dance fitness

Como nos ensina a crítica dialética, a realidade independe da nossa consciência. O fato de você desconhecer um ou outro feito ou fenômeno da realidade, não significa dizer, em absoluto, que os mesmos não existam. Signfica apenas que você não tem consciência deles. Ponto. Mas por que estou dizendo isso?

Hoje, navegando na internet, encontrei uma nota falando sobre um torneio estadual de Pole Dance, que será realizado em São Paulo, amanhã, 27. Imediatamente rascunhei estão as seguintes palavras "Quando pensamos que nada mais pode ser esportivizado, eis que a realidade nos desmente. Agora é a vez da dança, que sai de um dos espaços de sua expressão, as casas noturnas onde homens e mulheres buscam prazeres diversos e se alça a status de esporte, já incorporando um dos seus elementos, a competição".
Rascunhada estas palavras, procurei pesquisar um pouco mais sobre o assunto e descobri, boquiaberto, que já existe até torneio mundial da modalidade e que o primeiro torneio nacional desta foi realizado no Brasil, na cidade de Curitiba, no dia 20 de setembro de 2009. Será em Curitiba também a versão nacional deste ano. Mas antes disso, quem quiser disputá-la, terá que primeiro, ser um dos vencedores do torneio estadual de amanhã. Tudo muito bem organizado.

E eu pensando que estava para divulgar uma grande novidade, descobri duas outras coisas. A primeira, é que em Cascavel, Curitiba, Paraná (este é o estado mais forte na modalidade, pelo que estou percebendo), já tem professoras especialistas em técnicas de pole dance. Não sei se são formadas em educação física ou se as mesmas têm a carteirinha de provisionadas, esses aspectos de vigilância do ato profissional fica por conta do sistema CONFEF/CREF.

A segunda coisa que descobri, no sentido de ser uma grande novidade para mim, é que o esporte denominado Pole Dance Fitness já tem até uma seleção brasileira e que a modalidade esportiva atrela técnica e sensualidade. É mole?

Ia entrar na maior roubada e o Esporte em Rede ia perder uns pontos no quesito credibilidade. Falta agora procurar descobrir se existem ligas, confederações, federações e outros penduricalhos nesta modalidade esportiva e se a mesma está reclamando, junto ao Ministério dos Esportes, ser alçada ao status de esporte olímpico.

Mas isso eu deixo para vocês pesquisarem.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Juventude socialista da Suíça pede fim de privilégios fiscais à Fifa

juventude socialista da Suíça pediu ao governo que coloque fim "aos privilégios fiscais" à Fifa, organismo máximo do futebol com sede em Zurique.


O pedido, embasado em 10,5 mil assinaturas e feito junto com a organização Solidar Suisse, considera injustificado o fato da Fifa ser considerada de utilidade pública, dados seus enormes lucros econômicos e os recentes escândalos de corrupção.

Se o principal órgão executivo do futebol mundial fosse considerado como uma empresa comum, afirmam os autores da iniciativa, de 2007 a 2010 teria pago o equivalente a R$ 366,8 milhões em impostos. No período, entretanto, só pagou R$ 6,8 milhões.

A juventude socialista lembra que ao fim da Copa do Mundo da África do Sul em 2010, a Fifa revelou lucro de R$ 4,7 bilhões, enquanto o país organizador, com altos níveis de pobreza, sobrou uma dívida de R$ 6,1 bilhões.

Conforme a agência local "ATS", o escritório federal do esporte da Suíça deve apresentar até o final do ano um relatório sobre a luta contra a corrupção em instituições esportivas, o que vai apontar quais medidas organismos como Fifa, Uefa e COI devem adotar a respeito.

Na última terça-feira, a ONG Transparência Internacional (TI) propôs que a reforma anunciada pela Fifa para evitar novos casos de corrupção seja supervisionada por uma comissão independente, formada por pessoas que não pertençam à organização.

A Fifa aceitou a proposta e ressaltou que em seu congresso de junho renovou "o compromisso de melhorar sua organização, centrada no aumento da transparência das atividades e não tolerando qualquer forma de corrupção".

Reportagem da ESPN/ESTADÃO.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Peixe na rede

O ex-craque do Flamengo, Vasco da Gama, da Seleção Brasileira (que saudades...) e atual Deputado Federal, Romário, vem surpreendendo e marcando "golaços" na sua vida política. Um dos seus e talvez principal papel tem sido o de enfrentar o todo poderoso Ricardo Teixeira, presidente da Confederação Brasileira de Futebol(CBF).

Hoje ele publicou, no seu site, uma entrevista com o jornalista Andrew Jennings, escocês que resolveu enfrentar a Federação Internacional de Associações de Futebol (FIFA), há 15 anos.

Interessado em ler a entrevista? Clique AQUI.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Orlando Silva na TV

O senhor Orlando Silva, Ministro dos Esportes, estará hoje no programa de entrevista Roda Viva, transmitido pela TV Cultura, às 22:15.

Como tema, obviamente, Copa 2014 e Olimpíadas 2016 entre outros ligados ao esporte nacional. Espero que os jornalistas escalados para a bancada de entrevistadores (Augusto Nunes, Paulo Moreira Leite, Vladir Lemos e Cida Damasceno) façam perguntas contundentes, fora do script que deve ter sido escrito antecipadamente, agendando, de uma certa forma, o debate.

Confesso que sentir falta no "time" de jornalistas da envergadura de um Juca Kfouri e de um José Cruz. Mas a TV resolveu contemplar somente os da casa, pois o elenco é composto pelo jornal Estado de São Paulo e o programa Cartão Verde.

Quem comanda a bancada é a experiente Marília Gabriela.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Torcendo por Ricardo Teixeira

Nem tudo está perdido. O dia do sorteio das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2014, realizado no Rio de Janeiro no último dia 31 e que custou a bagatela de 30 milhões de reais aos cofres públicos foi, também, um dia de protesto.

Entidades diversas e o povo de uma maneira geral gritaram em alto e bom som @foraricardoteixeira. Expressão que ecoou também no Twitter, chegando a alcançar o Trendind Topics, que é a lista onde se configura os assuntos mais comentados nesta rede social.

É pouco? Sim, muito pouco. Mas já é alguma coisa. Nesses 22 anos que o senhor Teixeira ocupa a cadeira da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), nunca o mesmo foi alvo de mobilizações desta envergadura. A sociedade brasileira e, principalmente, os amantes do futebol o querem bem longe da entidade maior que rege essa fantástica expressão nacional.

O Brasil segue mudando. É verdade que ainda preso às suas tradições de mudança dependente, lenta e desigual. Mas segue mudando como demonstram indicadores sociais importantes. Essas mudanças devem atingir todas as esferas da vida cotidiana e a CBF é uma delas.

Vamos continuar tensionando até a corda deste Ricardo Teixeira partir. E como torcedor que sou, torço para que isso ocorra o mais breve possível!

terça-feira, 26 de julho de 2011

FAN FEST: "a gente se liga em você"

Você sabe o que significa FAN FEST? Pois é. É um evento que teve início no ano de 2006 e objetiva agregar os torcedores que não tiveram condições de ingressarem no estádio de futebol para assistir a uma determinada partida da Copa do Mundo. Grandes telões são colocados nas cidades-sedes e os fâs do futebol podem assistir aos jogos.

E daí? Qual o real motivo da pergunta? Bem, o fato é que a empresa que ficará responsável pela organização dos eventos em todas as 12 cidades sedes onde ocorrerão jogos da Copa do Mundo de futebol é a Geo Eventos, empresa criada pela platinada Globo e pelo Grupo RBS. Não se sabe ainda quanto custará esta organização e quanto a Geo Eventos receberá para tanto, mas já dar para se ter uma ideia.
Isso porque a mesma empresa, coincidentemente, será também responsável pela organização do evento onde acontecerá o sorteio das eliminatórias da Copa do Mundo de 2014, evento este que ocorrerá no Rio de Janeiro. Valor do contrato só para este evento: 30 milhões de reais. E detalhe, pagos pela prefeitura e governo do Estado.

Posso tá equivocado e vendo coisa onde não existe nada, mas que é estranho uma mesma empresa, da mesma rede de televisão que tem direito de transmissão do evento, ganhar concessão para a realização de ações relacionadas ao próprio evento, isso é. Nas minhas narinas chega cheiro de tráfico de influência, junto com odores de prevaricação e favorecimento escancarado. Será por isso que o Ricardo Teixeira é intocável pela maior rede de televisão do Brasil? E os patrocinadores do evento, não poderiam pagar esta bolada de 30 milhões? Por que ficar a cargo do dinheiro público?

Só para se ter uma leve ideia do absurdo desta dinheirama para um simples evento de sorteio das eliminatórias de uma Copa do Mundo de futebol (aqui não estou incluindo nenhuma das FAN FEST), o governador do Rio de Janeiro, o senhor Sérgio Cabral (PMDB), precisou gastar, inicialmente, 20 milhões de reais para a construção e compra de equipamentos das 18 Unidades de Polícia Pacificadora (UPP), sua principal política de combate à violência na cidade.

Os FANfarrões do Brasil continuam a fazerem FESTas com o dinheiro público e a fazerem pouco do povo brasileiro e a presidenta Dilma Roussef e o Ministro dos Esportes, Orlando Silva, a fazerem vistas grossas a tudo isso. E se já não bastasse, preciso ficar lendo coisas do tipo "Cago um montão", "Só vou ficar preocupado, meu amor, quando sair no Jornal Nacional" e "Quanto mais tomo pau da Record, fico com mais crédito com a Globo", entre outros, de um dos donos desse país, o senhor Ricardo Teixeira.

Na minha modéstia e humilde opinião, apenas esses palavrórios de baixo calão e esta atitude arrogante e presunçosa deste senhor, já seria suficiente para chamá-lo às falas. Ele e seus congêneres, como o senhor João Havelange e o senhor Carlos Nuzman. Somadas às denúncias que sobejam sobre esses senhores dos anéis, uma CPI seria pouco.

domingo, 24 de julho de 2011

Band vetou críticas a Ricardo Teixeira em quadro do "CQC"

Convidado do “CQC” a dar entrevista para o quadro “Resta Um”, o jornalista Jorge Kajuru fez críticas duras, como de hábito, ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira, mas a Band vetou a exibição de suas palavras.

Segundo o UOL Esporte apurou, a emissora inicialmente vetou a íntegra do quadro, realizado pelo repórter Oscar Filho. Depois de alguma negociação interna, foram cortadas as menções a Teixeira, à apresentadora Luciana Gimenez e ao governador de Goiás, Marconi Perillo.

No lugar de fazer comentários sobre dez personalidades, como usualmente ocorre no “Resta Um”, Kajuru falou apenas sobre sete pessoas no quadro exibido na noite de segunda-feira (18). “Cortaram 100% do que eu disse sobre o Teixeira, sobre a Luciana e sobre o Perillo”, protesta o jornalista.

“Acho engraçado ver um programa como o ‘CQC’, que reclama tanto em Brasília da falta de liberdade de expressão fazer exatamente isso comigo”, diz Kajuru.

A Band é, já há alguns anos, parceira da Rede Globo na exibição de partidas do Campeonato Brasileiro. A emissora carioca é dona dos direitos e os sublicencia para a emissora paulistana.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Band informou apenas: “O CQC grava muitas horas por semana e nem tudo que é gravado vai para o ar.”

(TEXTO RETIRADO DO UOL ESPORTE)

sexta-feira, 22 de julho de 2011

O inusitado e o nem tanto

O futebol mundial e brasileiro nos brindaram esta semana, cada um a seu modo, com uma coisa inusitada e outra nem tanto. O inusitado vem lá da Argentina onde se realiza a Copa América. A seleção paraguaia conseguiu, mesmo sem ter feito nenhum gol no tempo normal dos seus jogos (nem tomar, é bom frisar), chegar à final do torneio contra a seleção do Uruguai.

O outro fato, este nada inusitado, mas perfeitamente normal dada a lógica cada vez mais comercial dos jogos de futebol, veio daqui mesmo do Brasil. Os jogadores do flamengo, Thiago Neves e Ronaldinho Gaúcho forçaram, contra o Palmeiras, o cartão amarelo. Os dois avaliaram, junto com o técnico, evidentemente, que seria melhor ficar fora contra o Ceará do que contra os times do Santos, Grêmio e o Cruzeiro.

Consideram o Vovô de Fortaleza fácil de ser vencido. Uma atitude para lá de anti-esportiva. Ou não?

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Plenária Ampliada do Comitê da Copa e Olimpíadas

Por CMI Brasil

Terça-Feira, 19 de julho às 18h
Sindicato dos Metroviários
Av. Rio Branco, 277 ? 4º andar

GRANDE ATO UNIFICADO

Convidamos todos os fóruns, redes, movimentos,comunidades, ocupações, sindicatos, ONGs, academia, estudantes, enfim, todas as entidades, que estão se indignando com o Grande Balcão de Negócios que virou a cidade, onde a população , suas lutas e seus poucos direitos são apenas um detalhe incômodo que precisa ser eliminados ou calados de qualquer maneira, a estarem presentes na construção deste grande Ato.

Parem as remoções e desalojos, pelo Despejo Zero.

Não a privatização da cidade e dos Serviços Públicos.

Pela imediata investigação e punição de todos os envolvidos nos escândalos das empreiteiras.

Faça a sua luta junto com a luta pelo direito a cidade.

A educação, a saúde, a liberdade de expressão, os salários, o direito ao trabalho serão afetados pela realização da Copa do Mundo e das Olimpíadas. Temos que reagir a isto!!!!!

Vamos juntar as bandeiras e transformá-las em nossas bandeiras.

COMPAREÇAM e DIVULGUEM LIVREMENTE!!!!!!

Você pensa que a Copa é nossa?

Os governantes falam o tempo todo que a Copa e as Olimpíadas trarão benefícios para o Rio e para o Brasil. Benefícios para quem? O custo de vida e o aluguel não param de aumentar, famílias são removidas das suas casas, ambulantes e camelôs, proibidos de trabalhar.

Mais: eles estão gastando dinheiro público e apresentaram uma lei para não prestar contas depois. Prá piorar, a Fifa, a CBF e o seu presidente, Ricardo Teixeira, organizadores da Copa, sofrem várias denúncias de corrupção. Enquanto os bombeiros, os professores, a saúde e o saneamento são arrochados, bilhões são dados de mão beijadas as empreiteiras e especuladores.

Tudo indica que com a Copa e as Olimpíadas vamos repetir em escala muito maior a história do Pan-americano de 2007: desvio de dinheiro público, obras grandiosas, mas inúteis depois das competições, benefícios só para os empresários amigos do poder e violação dos direitos de milhares de brasileiros.

As remoções de famílias atingidas pelas obras estão acontecendo de forma arbitrária e violenta. Essa situação já foi denunciada inclusive pelas Nações Unidas. Parece democracia, mas a população não é informada nem consultada. Os jogos estão sendo utilizados como desculpa para instalar uma verdadeira Cidade de Exceção, com violação sistemática dos direitos e das leis.

Deste jeito, qual será o legado dos megaeventos? A privatização da cidade, dos espaços e equipamentos públicos, da saúde e da educação? A elitização do futebol e dos estádios? O lucro e os benefícios com isenções e empréstimos subsidiados com o nosso dinheiro para empreiteiras? O lucro da copa é dos empresários, mas a dívida ficará para a cidade e para os cidadãos. Não podemos permitir que as histórias da Grécia e da África do Sul se repitam aqui.

Junte- se a nós! Vamos juntos mudar este resultado, venha lutar.

Venha bater uma bola com a gente no Largo do Machado, dia 30 de julho a partir das 10h.

Remoção zero!

Cidade não é mercadoria!

Não a privatização das terras e recursos públicos, dos aeroportos, da educação e da saúde.