domingo, 7 de junho de 2009

Da tragédia à festa

Quando, em outubro de 2007, o Brasil foi oficialmente confirmado como palco da Copa do Mundo de 2014, alguns estudos já tinham sido realizados sobre as condições dos estádios de futebol do país e demonstrado que todos, em maior ou menor grau, necessitariam de reparos nas suas estruturas.
Um dos estudos, desenvolvido pelo Sindicato Nacional das Empresas de Arquiteturas e Engenharia (SINAENCO), analisou a estrutura e o estado de conservação de 29 estádios do país e apontou a Fonte Nova, inaugurada no ano de 1951, como o pior entre todos eles.
Um outro estudo, este agora realizado pelo diário esportivo LANCE! no mês de março de 2007, estabeleceu um rainking dos estádios. Dos 24 analisados pelo diário, a Fonte Nova aparecia na 23ª colocação, ficando à frente apenas do Estádio dos Aflitos, em Recife.
Menos de um mês depois do estudo do SINAENCO e oito meses após o estudo do diário esportivo O LANCE!, no fatídico dia 25 do mês de novembro do mesmo ano de elaboração dos relatórios sobre o estado de conservação dos estádios no Brasil e que apontava a Fonte Nova como o pior deles, ocorreu uma das piores, senão, a pior tragédia do futebol baiano e brasileiro. Em um jogo do Esporte Clube Bahia contra o Vila Nova de Goiás, em uma partida decisiva para ver quem ascenderia à série B do campeonato brasileiro, uma parte do anel superior do estádio cedeu, ocasionando sete morte e dezenas de feridos.
Tendo que responder imediatamente ao fato, o governador Jaques Wagner cogitou implodir a Fonte Nova para a construção de uma nova arena, termo que agora se utiliza para designar estádio de futebol e que não por acaso, tem sua acepção relacionada aos anfiteatros romanos, a área central do circo;picadeiro.
No dia 31 de maio, no mesmo canal de televisão onde o governador cogitou a implosão da Fonte Nova, a exatos um ano, seis meses e seis dias, o mesmo Governador anuncia a Copa do Mundo em Salvador e diz, sem nenhum reparo, que a Fonte Nova não seria demolida mas, sim, restaurada (MAQUETE ABAIXO).Nenhuma novidade. No mundo da atual política é assim. Fala-se de acordo com o momento, leva-se o barco de acordo com a força e a direção do vento.
Os tambores festivos bateram no pelô e a massa, com certeza a mesma que chorou e se revoltou com a catástrofe, estava lá aproveitando a festa, vibrando por Salvador, a terceira cidade com maior disnível de renda do país, ser sede (ou sub-sede) da Copa do Mundo de 2014. Afinal de contas, como já dizia minha avó e repetia a minha mãe, quem morre é que perde a vida. Esta continua e devemos olhar sempre para frente já que atrás vem gente.
Desfilam-se agora, nas passarelas do esporte baiano, atores diversos: cartolas, dirigentes, técnicos, cantores e cantoras, políticos de todos os partidos a entoarem em alto e bom som o quanto é bom para a Bahia a Copa. Ontem entoavam indignação, consternação, revolta com a tragédia, hoje entoam acordes de esperança, alegria, melhoria da qualidade de vida e sambam ao som do tambor do Olodum.
Mas eles estão fazendo os seus papéis. Nós fazemos o nosso. Abaixo um vídeo que resgatamos do baú para refrescarmos a nossa memória, esta tão combalida por tantas informações inúteis e repetitivas que somos submetidos a todo o momento pelos meios de comunicação de massa.
O mesmo diz respeito à tragédia, pois em relação a festa, não se preocupem, "ela vai rolar, vai rolar, o povo do gueto mandou avisar"!!!

10 comentários:

Manoel Gomes disse...

É provável que a mercadoria futebol sempre teve essa força, o fato é que seu poder de gerar dinheiro se ampliou de forma tão brutal que as mortes dos torcedores, no conjunto da obra, é menos importante do que a geração de receita para o Estado, coisa que o governador não perdeu de vista! Acho que seu texto, além de de "refrescar" a nossa memória em relação à tragédia, nos ajuda a continuar refletindo sobre o fenômeno futebol, para além do mero espetáculo...
P.S. Lembrei, meu caro amigo, dos tempos do Sedentário e vi que no texto a copa está como 2004...

Welington Silva disse...

Querido amigo Manoel Gomes. Obrigado pela visita e pelo comentário. Sobre o ano 2004, já mudei.

Lorena Mota disse...

É incrivel o poder que a midia tem de reolucionar a mente humana e fazê-la esquecer de tragédias como a que ocorreu na Fonte Nova, em 2007. Hoje, Salvador comemora a escolha de sub-sede da Copa, mas quase ninguem pára pra pensar no "mundo de dinheiro" que será gasto para fazer as reformas que a FIFA exige. Este dinheiro daria sim para matar a fome dos que necessitam e abrigaria outros tantos que estão ao relento. Precisamos alertar ao povo, falar sim, em meios como este, onde se pode falar abertamente sem sermos sensurados.

Welington disse...

É isso aí Lorena. Não só alertar e falar aqui, neste meio, mas organizar ações concretas e agir para mudar. Estamos pensando em promover um seminários intinerante nos cursos de formação de professores em educação física para abrir o debate e buscar alternativas de luta contra essas formas de alienação. O que acha?

Anônimo disse...

Welington, você poderia detalhar mais a idéia dos seminários intinerantes nos cursos de formação de professores em educação física? É só para a capital ou o interior também será contemplado? Enfim, fale mais sobre essa ótima idéia. Concordo com você: temos que agir, afinal, só se pode ganhar um jogo, jogando. Tá na hora de colocarmos nosso time em campo, mesmo sabendo que é Davi contra Golias.

Larissa

Anônimo disse...

Esqueci de dizer uma coisa no meu comentário anterior: utilizando uma linguagem futebolística, quero dizer a Elson Moura Dias que seu artigo é um gol de placa. Parabéns!

Larissa

Welington disse...

Olá, Larissa.

A idéia é contemplar também o interior. No momento falta pedreiro para a obra e estou em processo de escrita da tese. Mas como a Copa será em 2014, teremos sim tempo de sobre para realizar os seminários, pois os mesmos terão como ponto de partida a reflexão sobre a Copa, mas não se encerrará nela, pois esta é apenas um elemento que se apresenta em um conjunto de outros elementos presentes na nossa realidade complexa e contraditória.
Já estou contando com vc para somar forças!!!
Sobre o texto de Elson concordo plenamente com vc. Ele escreveu o mesmo apenas com o objetivo de me ajudar no desenvolvimento da temática para o domingo passado. Me ligou dizendo que tinha passado uma matéria na televisão, se eu tinha vista, etc, etc. Super atencioso. Pedir para o mesmo fazer um resumo para que eu pudesse utilizar nas minhas reflexões mas ficou tão bom o "resumo" que pedir autorização e ele para postar como um texto e ele concordou (que bom). Ele é outro que tá junto conosco na batalha das idéias e na propugnação do nosso seminário.
CONTINUAMOS COM FORÇA NA LUTA!!!

Heitor Jr. disse...

Quero a princípio parabenizar a postura lógica, isenta e responsável, com que você "Welington", externa para todos o que realmente está por trás de cada um desses eventos postados aqui em seu Blog. Especialmente sobre esse assunto "Copa 2014". Concordo com o comentário da Lorena Mota, em dizer que a mídia exerce, de fato, um grande poder de persuasão principalmente na camada social com pouca instrução, sendo que muitas vezes, alguns mais instruídos tambem caem nessa armadilha.

Grande abraço e parabéns pela garotinha linda!!

Bruno disse...

Muito bom texto Welington.. Parabéns!!

Lorena Mota disse...

Wellington, achei excelente a ideia dos seminarios itinerantes. Gostaria mesmo de fazer alguma coisa para tentar alertar ao povo sobre a robalheira que fazem do seu dinheiro suado e de como usam a midia para tornar isto legitimo.
Pode contar comigo! Elson sabe quem sou e onde me encontrar, fui aluna dele na UEFS. Valeu!!!
Lorena Mota